Transformação digital no Brasil é questão de sobrevivência

Transformação digital no Brasil é questão de sobrevivência
Transformação digital no Brasil é questão de sobrevivência

Qualquer tentativa de minimizar o impacto que a COVID-19 causou no mundo dos negócios, na economia global e local, no comportamento das pessoas e na perspectiva de futuro deve ser classificada como um grande equívoco, um retorno a fevereiro, quando se achava que existia uma epidemia na China, e quando muito atingiria alguns países europeus, como a Itália. Hoje, o novo Coronavírus atinge 212 países e territórios. O mundo terá de se adaptar a um novo normal. A transformação digital, que antes da pandemia avançava a todo vapor em países como Estados Unidos, Singapura, Noruega, Suécia, Suíça e Dinamarca, agora é encarada como questão de sobrevivência até mesmo em economias em crise, como a brasileira.

Na opinião de Adriano Filadoro, especialista em TI e diretor-presidente da Online Data Cloud, a maior transformação digital nos dias de hoje se chama COVID-19. Ou as empresas aprendem com o que está acontecendo, ou estão fadadas ao fracasso. Segundo o executivo, o novo Coronavírus já acena com pelo menos CINCO motivos para as empresas concentrarem investimentos em tecnologia.

  1. Home office incorporado à rotina das empresas sempre que possível. Poucas eram as empresas brasileiras que valorizavam o trabalho remoto, realizado na casa do colaborador, antes da pandemia mandar todo mundo se recolher. Muitas foram pegas desprevenidas, por não terem dado atenção devida à digitalização de inúmeras informações estratégicas, matéria-prima para as áreas comercial e administrativa. A partir de agora, com certeza essa será uma das primeiras iniciativas a serem tomadas. Outro recurso importante é o investimento em desktops virtuais. Essa solução permite ao colaborador acessar o ambiente da empresa com todas as aplicações existentes. Ou seja, mesmo trabalhando remotamente, é como se ele estivesse em sua mesa de trabalho, com todos os dados de que precisa para dar continuidade a suas atividades de rotina. Quando o isolamento chegar ao fim, ainda assim é prudente deixar desktops em nuvem, em compasso de espera, para que sejam ativados de acordo com a necessidade .
  • 2. Aumento expressivo no e-commerce. Quatro semanas depois do início da quarentena, empresas anunciavam aumento de vendas online entre 26% e 40%. Pesquisas apontam que três em cada dez pessoas fizeram sua primeira compra online durante o período de isolamento social. Até mesmo serviços que já contavam com infraestrutura para vendas em sites e aplicativos se viram com uma demanda tão aumentada que foi necessário fazer upgrades às pressas. Quem não foi rápido o bastante para atender novos clientes, sentiu perda de competitividade. Nesse sentido, nunca antes o comportamento do cliente foi tão analisado. As empresas estão cada vez mais atentas à experiência do consumidor, avaliando suas preferências, o que influencia sua tomada de decisão e, inclusive, o que motiva a troca de um serviço/produto por outro. Um dos pontos altos da transformação digital passa obrigatoriamente por conhecer o consumidor em detalhes, se concentrando naquilo que ele necessita e deseja .
  • 3. Lives como resposta rápida a uma demanda reprimida. É fundamental observar bem os movimentos do mercado global, encarando os disruptores com curiosidade. Em última instância, eles indicam uma oportunidade de mudança. Foi o que aconteceu com as lives. O segmento do entretenimento soube reagir rapidamente à impossibilidade de cumprir com as agendas de shows, optando por um formato que evita aglomerações, reconforta e entretém quem está em isolamento, lança mão de campanhas sociais (arrecadação de alimentos, doações por aplicativo de pagamento etc.) e ainda consegue emplacar patrocinadores. Por trás dessa iniciativa, uma infraestrutura tecnológica viabiliza o evento e garante estabilidade durante a transmissão para milhares de pessoas. Esse exemplo foi tão bem-sucedido que serviu de ponto de partida para outras iniciativas. Hoje, comediantes, palestrantes, professores, empresários, dentistas e médicos fazem lives. A intimidade criada com o público-alvo é tão grande que já é possível dizer que as lives fazem parte do novo normal. Sendo assim, é preciso dedicar algum tempo para entender as quebras de paradigmas que estão ocorrendo e definir estratégias .
  • 4. Educação a distância como alternativa de ensino. As escolas tiveram que rapidamente encontrar caminhos para além de antecipar férias escolares. Decididos a não dar o ano letivo por perdido, muitos gestores têm implantado sistemas de ensino a distância. Mas, entendendo a urgência e a gravidade da situação, é possível prever que o Brasil vai dar um passo bastante importante em relação ao aprendizado remoto. Não apenas no uso de plataformas online, mas também de recursos como podcasts, atendimento via WhatsApp, ou ainda aulas para pequenos grupos em ferramentas de comunicação como Skype e Zoom, entre outros. Essa iniciativa ainda terá de enfrentar um grave déficit. De acordo com o Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação, um em cada três brasileiros com 10 anos ou mais não tem acesso à rede mundial de computadores. Esse percentual é constituído principalmente por pessoas das classes C e D, além de habitantes das zonas rurais. Corrigir isso certamente exigirá um esforço tecnológico gigante nos próximos anos .
  • 5. Maior uso da nuvem computacional. Com tanto conteúdo gerado, será preciso criar mais espaço de armazenamento em nuvem a partir de agora. Ao invés da hospedagem tradicional de TI, a multicloud (vários serviços em nuvem) desponta como uma necessidade. Se antes já era considerada uma grande tendência para 2020, no mundo pós-COVID-19 será praticamente um investimento obrigatório para muitos negócios. As empresas deixam de depender apenas de um fornecedor de nuvem, onde seus dados e serviços são armazenados e gerenciados, e passam a contar com uma gama maior de fornecedores. Essa é uma iniciativa de relativamente baixo custo que representa maior flexibilidade, inovação e inclusive conformidade regulatória. Trata-se de uma nova era de inovação nos negócios e que tem muito ainda que se desenvolver em em termos de transformação digital. Mas é um caminho sem volta, já que uma das virtudes da multicloud é desbloquear agilidade, eficiência e economia de custos sem precedentes.

Texto adaptado de: http://conexaocorporativa.com.br/fundacredrs/site/m012/noticia.asp?cd_noticia=74964553

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *